Chamas Sitiantes

Wed Oct 21 2020 03:00:00 GMT+0000 (Coordinated Universal Time)

Fogueiras queimavam em diferentes pontos da margem do lago. Na ilha em seu centro, uma fortificação despontava imponente e brilhante na escuridão, desafiando os sitiantes a uma investida mortal. Soldados sentavam ao redor das chamas e aguardavam o comando para o ataque. A conquista da fortaleza insular seria a conclusão de uma campanha vitoriosa que já dominara duas cidades muradas e uma porção de povoados. Nos acampamentos, entretanto, a certeza de se tratar de uma tarefa árdua amedrontava os homens.

– Se eles possuírem muitos arcanos, seremos alvos fáceis em nossos pequenos barcos – murmurou um soldado alto de barba longa, esticando as mãos na direção das chamas.

– Sem contar as flechas que choverão sobre nossas cabeças – complementou um homem atarracado de nariz torto.

– Ao menos elas nos matam de maneira honesta – replicou Barba Longa. – Morrer por arcania seria muito pior.

Nariz Torto deu de ombros.

– Não me parece existir diferença. Eu não voltaria a ver minha esposa e filhas, nem usufruiria da glória ao retornar para casa.

– Há diferença – rosnou Barba Longa. – Nessa mesma ilha, por muito tempo, o comandante da fortaleza foi um arcano. Ele costumava espalhar uma névoa negra sobre todo o lago, enlouquecendo quem passava por ela. Companheiros matavam uns aos outros, soldados pulavam para se afogar. Uma morte assim se compara a uma flecha?

– Você não tem família – resmungou Nariz Torto. – Não compreende.

Antes que Barba Longa pudesse retrucar o companheiro, o capitão do destacamento surgiu atrás de ambos e afirmou:

– Arcanos com tamanho poder não existem mais. Tais histórias servem apenas para nos amedrontar. Concentrem-se em manter o escudo erguido e a espada preparada.

Barba Longa e Nariz Torto trocaram olhares insatisfeitos pela interrupção e temerosos pela presença do superior.

– Mexam-se – exigiu o capitão. – Nosso destacamento liderará um dos ataques nesta madrugada. Serviremos de distração para uma investida pelo outro lado.


Arte: Jasza Dobrzanski (ArtStation)