O Albino

Mon Jul 27 2020 03:00:00 GMT+0000 (Coordinated Universal Time)

Não sei se o futuro trará o poder de transformar a tristeza pela perda em nostalgia. De pé ao lado de seu corpo, testemunhando o pelo branco manchado pelas fendas vermelhas, aposto no sofrimento perpétuo. No meu e no de vocês.

Urshav, o Albino. Líder de nosso agrupamento. Guerreiro habilidoso, companheiro de tantas batalhas, irmão na guarda das terras selvagens. Morreu como cresceu: lutando. Não mais por reconhecimento em sua nação de origem, nem em busca de seu lugar no mundo. Pereceu como o mais experiente entre nós, liderando-nos contra os caçadores humanos que nos ameaçam, colocando-se em risco para que pudéssemos cercá-los.

Ninguém esquecerá seus últimos golpes, a maneira como brandiu o machado ao aparar tantas investidas adversárias, perfazendo uma dança de esquivas e contra-ataques entre as árvores. Sua coragem garantiu nossa segurança, fendeu crânios, espalhou entranhas, manteve os invasores de nossa floresta absortos. Para nós restou a parte fácil: a de matar pelas costas, a de correr desimpedidos em busca de sangue.

Recordo o quanto fiquei surpresa ao conviver com o Albino, ao vincular seus traços e suas maneiras ao nome que percorre o mundo como sinônimo de proezas ferozes. Ele era gentil e reflexivo. Ouvia nossas preocupações ao redor das fogueiras e conhecia as palavras certas para nos encorajar, para manter nosso ânimo diante das ameaças que nunca cessam. Ainda assim, transpirava ira em combate. Era implacável com quem nos desafiasse, expondo sua fúria a cada machadada, a cada humano destroçado.

Ele nunca duvidou do quanto somos fundamentais. Por sua honra, por nossa honra, continuaremos a proteger as nações selvagens. E morreremos em batalha, como um gaeshfargan deve fazer. Como fez Urshav, o Albino. Lembraremos seu nome até o dia de nosso encontro no outro mundo. Que Ygav-Kor proteja seu espírito.

– Que Ygav-Kor proteja seu espírito!

Acendam a pira.


Arte: kekai_kotaki (Instagram)