Orgulho Ancestral

Mon Nov 09 2020 03:00:00 GMT+0000 (Coordinated Universal Time)

Em sua biblioteca na fortificação insular, o comandante Trysg dividia a atenção entre as fogueiras dos sitiantes às margens do lago e o velho manual de arcania negra escrito por seu tetravô. Seus dedos se moviam no ar em um misto de apreensão e expectativa sagaz quando a porta do aposento abriu.

– Senhor, eles iniciaram o ataque pelo norte – avisou um de seus capitães. – Não são todas as forças inimigas. Pode se tratar de um ardil.

– Não importa – replicou Trysg, recolhendo o livro de uma bancada próxima à janela. – Hoje honrarei meus antepassados e mostrarei aos invasores que esta fortaleza voltou a possuir um arcano negro para guardá-la.

Após pendurar o manual no ombro com tiras de couro, o comandante acompanhou seu subalterno até o topo da fortificação, onde um contingente reduzido de defensores o aguardava. Em seus barcos iluminados por tochas e lamparinas, os inimigos mantinham os escudos erguidos e as armas em punho. Vinham do norte, enquanto mais embarcações se preparavam nas outras margens para avançar pela escuridão da madrugada. Trysg era capaz de senti-los através do véu tênue de energia negra que havia espalhado pelo lago.

– Deixe-os se aproximar – orientou o comandante. – Resistam apenas o suficiente para que não suspeitem de nossa confiança e acreditem que nos enganaram.

Uma chuva de flechas atingiu os inimigos, mas os barcos iluminados alcançaram a ilha. Os soldados de Trysg se amontoaram na porção norte da fortificação, e as demais embarcações sitiantes iniciaram seus trajetos sobre a água. Concentrado, o
comandante moveu os braços e espessou sua névoa de energia arcana, conferindo a ela suas mais atrozes capacidades.

Em instantes, gritos dos soldados adversários ecoaram pela escuridão. Um coro de desespero e agonia. Homens brandiam espadas contra seus companheiros, outros dilaceravam a própria garganta ou pulavam na água para afundarem com o peso das cotas de malha. Trysg assentiu satisfeito. O legado de seu tetravô renascera.

Arte: Jasza Dobrzanski (ArtStation)